Tecnologia

Rússia realiza teste de voo de motor aeronáutico com tecnologias avançadas

Observa-se que os testes confirmaram que o motor e seus sistemas podem operar de acordo com os parâmetros básicos estabelecidos nas especificações técnicas e que as soluções de projeto utilizadas no produto estão corretas.

Por Redação, com Sputnik – de Moscou

A empresa russa ODK, parte da Rostec, realizou um teste de voo do motor PD-8, que será utilizado no avião comercial de fabricação russa Sukhoi Superjet New e no avião-anfíbio Be-200.

rússia realiza teste de voo de motor aeronáutico com tecnologias avançadas

Observa-se que os testes confirmaram que o motor e seus sistemas podem operar de acordo com os parâmetros básicos

“O motor está sendo testado integrado no laboratório voador Il-76LL, pertencente ao Instituto de Testes de Voo Gromov da OAK (Corporação Aeronáutica Unida)”, informou a empresa.

Em maio, os testes em bancada do primeiro protótipo do motor PD-8 haviam sido concluídos com êxito.

Observa-se que os testes confirmaram que o motor e seus sistemas podem operar de acordo com os parâmetros básicos estabelecidos nas especificações técnicas e que as soluções de projeto utilizadas no produto estão corretas.

O motor turbofan PD-8, destinado às aeronaves SSJ100-New e Beriev Be-200, é fabricado com peças e componentes totalmente russos e tecnologias avançadas de processamento, incluindo manufatura aditiva.

Várias empresas estatais da Rússia estão envolvidas no processo, aproveitando amplamente a experiência adquirida no desenvolvimento do motor PD-14.

Motores de foguete

No início da semana, o diretor da Roscosmos, Dmitry Rogozin, negou as alegações de que a agência espacial russa teria “perdido o controle” de seus satélites, enfatizando que qualquer ataque cibernético contra os satélites do país é um “casus belli”, um ato de guerra.

A decisão de cancelar o envio de motores de foguetes para os Estados Unidos é uma retaliação às suas sanções contra a Rússia em função da situação na Ucrânia, justificou Rogozin em declaração no último dia 3.

– Não só estamos nos recusando a fornecer esses motores (modelo RD-180), mas também estamos recusando a manutenção dos motores restantes. Estamos falando de mais 24 motores – explicou o diretor da agência espacial russa.

Desde a metade da década de 1990, 122 motores RD-180 foram enviados para os Estados Unidos e 98 foram usados nos foguetes espaciais Atlas.

O diretor também anunciou que a Rússia vai pôr um fim à cooperação em experimentos na Estação Espacial Internacional com a Alemanha.

– Levando em consideração as ações completamente inaceitáveis dos nossos colegas alemães, principalmente do Centro Alemão de Aviação e Cosmonáutica, eu desliguei um dos telescópios de nosso observatório espacial Spektr-RG, localizado a uma distância de 1,5 milhão de quilômetros da Terra no ponto de Lagrange L2. Esta é uma missão internacional completamente civil para explorar o céu estrelado – explicou Rogozin, dizendo que a Rússia tem todos os recursos essenciais para conduzir os experimentos sozinha.

Rogozin disse ainda que o programa espacial russo vai passar por mudanças. Ele explicou que o país vai focar no desenvolvimento de satélites que estejam em sintonia com os interesses tanto da Roscosmos quanto do Ministério da Defesa da Rússia.

Ele salientou que a agência espacial vai garantir que os satélites tenham “dupla função” em razão das “condições em que agora está o nosso país”.

No início da semana, Dmitry Rogozin negou as alegações de que a agência espacial russa teria “perdido o controle” de seus satélites, enfatizando que qualquer ataque cibernético contra os satélites do país é um “casus belli”, um ato de guerra. O comentário foi em resposta a acusações em contas de redes sociais dizendo que um grupo de hackers associado ao coletivo Anonymous havia “desligado” o centro de controle da Roscosmos.

TOP STORIES