Viagem

Sem motor, Rui Gonçalves empurrou moto na parte final da quarta etapa do Dakar

sem motor, rui gonçalves empurrou moto na parte final da quarta etapa do dakar

Sem motor, Rui Gonçalves empurrou moto na parte final da quarta etapa do Dakar

A quarta etapa do Dakar 2023 teve um desfecho inglório para o piloto da Sherco com o motor da sua moto a deixar de colaborar nos quilómetros finais do troço cronometrado. Gonçalves começou o dia de hoje numa nota extremamente positiva na etapa que começou e acabou em Ha’il. No total, foram percorridos 574 km, onde 425 km foram completados em modo contrarrelógio.

Desde muito cedo Gonçalves conseguiu ‘instalar-se’ numa posição de destaque a oscilar entre o 13.º e 11.º posto da tabela classificativa. Com o regresso da areia em força, o piloto da Sherco rapidamente se evidenciou neste terreno e efetuou um troço cronometrado praticamente sem erros de pilotagem, e com uma navegação exemplar.

Porém, nos derradeiros quilómetros da etapa, o motor da Sherco de Rui Gonçalves deixou de funcionar e o piloto de Vidago viu-se obrigado a utilizar uma boa parte das suas reservas de energia para empurrar a moto até ao final.

‘O dia de hoje começou muito bem. Vim sempre com um bom ritmo a oscilar entre o 13.º e o 11.º posto, até que a 5 km do fim o motor da moto parou e nunca mais o consegui colocar em funcionamento. A etapa era longa e depois de 420 km a rolar num bom ritmo este desfecho foi verdadeiramente inglório para todos nós. Os últimos quilómetros até chegar à zona da meta foram extremamente complicados porque estava parado numa parte do troço toda em areia. Tentei empurrar a moto até ao limite das minhas forças até que tive a ajuda de alguém que me conseguiu rebocar no durante 3 km. Os últimos quilómetros antes da meta voltei a ter de empurrar a moto até chegar ao final. Para chegar ao bivouac tive de ser rebocado novamente durante 60 km até à carrinha de assistência’, disse o piloto em comunicado.

Gonçalves acrescentou: ‘Ainda não sabemos ao certo o que se passou com o motor, a equipa vai agora analisar tudo para saber qual foi o problema que nos afetou. É muito difícil para mim aceitar este desfecho de etapa porque sabia que vinha a andar bem e depois de 420 km num bom ritmo, ficar a pé com a meta à vista não é o resultado que estava à espera. Como é natural não vou baixar os braços e irei continuar a lutar e a acreditar que as coisas vão correr melhor daqui para a frente. Mais uma vez gostaria de agradecer o apoio incondicional que todos me têm dado ao longo destes dias.’

O Dakar continua amanhã numa longa etapa de 646 km (com uma Especial de 374 km) naquele que é o segundo loop com início e fim em Ha’il.

TOP STORIES