São Paulo

Viagem

Vai viajar de carro no Ano Novo? Se ligue nestes 8 custos inesperados

vai viajar de carro no ano novo? se ligue nestes 8 custos inesperados

Pedágios, novas leis, multas, combustíveis… Fique ligado, pois a diversão pode custar um pouco mais Alexandria/ Pixabay

Vai viajar no Ano Novo? Faltando apenas poucos dias para o fim de 2022, muita gente ainda planeja uma viagem de carro, seja com amigos ou em família.  

Em São Paulo, a “Operação Verão” será feita pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de SP nas principais rodovias para minimizar os impactos do aumento do fluxo de veículos, previsto com a chegada das festas do Natal, Ano Novo, férias escolares e o verão. Nas principais rodovias concedidas que saem da capital, a previsão é de movimentação de 4,5 milhões no Ano Novo. 

Veja abaixo 8 gastos não previstos para quem quer sair de carro no período do Ano Novo e que merecem atenção para não extrapolar o dinheiro no bolso:

Pedágios estão mais caros

Para sair da cidade, os motoristas devem ficar atentos aos gastos com pedágio. Em São Paulo, por exemplo, houve reajuste da tarifa de até 10% para vias mais movimentadas, como Anchieta, Imigrantes, Anhanguera, Bandeirantes e Rodoanel. Já o preço do “pedágio da praia”, no sistema Anchieta-Imigrantes para quem sai da capital paulista para o litoral sul, subiu para R$ 33,80. 

Segundo a Agência de Transporte do Estado de São Paulo, 2,3 milhões de veículos circulam diariamente nas rodovias cujas tarifas tiveram reajuste. 

Quem optar viajar em trechos do Rio de Janeiro para Minas Gerais deve ficar atento a outros valores: carros de passeio devem pegar R$ 18,60 saindo pela Engenheiro Pierre Berman; já os trechos via Santa Guilhermina e Santo Aleixo R$ 13.

No portal da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), é possível verificar uma lista com os pedágios existentes em diferentes trechos.

Lei do Farol pode gerar multas acima de R$ 130

Para evitar multas, os motoristas também devem ficar atentos às mudanças da Lei do Farol. Segundo o Artigo 250 do Código Brasileiro de Trânsito, a lei, que obrigava todos os motoristas a manter a luz baixa durante o dia, só vale para pistas não duplicadas. Agora, só é considerada infração – média, sujeita a multa de R$ 130,16 e quatro pontos na CNH – quem não acender os faróis em estradas de pista simples. Ou seja, não esqueça dos faróis.

Carros disputados: busca por alugados cresce 15% 

Não é todo mundo que tem carro em casa e acaba arriscando na hora de alugar um veículo em cima da hora. De acordo com a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis, o custo da locação de veículos neste verão teve alta de 15%. “Os preços das passagens áreas para o Exterior continuam altos e isso também estimula o uso do carro como meio de transporte para viagens de férias, principalmente as de média e de curta distância”, avalia o presidente da ABLA, Marco Aurélio Nazaré.

Vai chover? Compre equipamentos de proteção

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, as previsões climáticas indicam que, entre dezembro deste ano e janeiro de 2023, as chuvas podem ficar próximas ou acima da média no Norte, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Já na Região Sul, no centro-sul do Mato Grosso do Sul e em parte de São Paulo, a tendência é de chuvas abaixo da média no mesmo período.

Desta forma, soma-se o custo para quem for comprar equipamento de proteção para o carro (especialmente em cima da hora), como para brisas, proteção de impacto ao pedestre, alerta de colisão e sensores, todos essenciais para dirigir com segurança em estradas e rodovias e previstos no Rota 2030, programa do governo federal. 

Um conjunto de limpadores (para brisas), por exemplo, pode ser encontrado a R$ 70 pela Internet; capas de chuva individual simples custam a partir de R$ 20; já os modelos de botas e galochas saem a partir de R$ 50 o par. 

Gasolina ‘nas alturas’

Segundo o relatório do Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) lançado em novembro, o preço do litro da gasolina sofreu aumento médio de 2,99% nos estados. O etanol teve valor disparado em alguns estados: Belo Horizonte (7,8%), São Paulo (6,9%) e Rio de Janeiro (6,34%) foram as capitais com maior variação registrada. 

Na capital paulista, de acordo com  levantamento de combustíveis da ValeCard, a variação do preço da gasolina por bairro chega a 57%; o motorista pode chegar a pagar R$ 6,99 o litro para comprar o combustível.

Hotéis já estão com quase 100% de lotação; preço pode subir

Um levantamento realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional), sinaliza que o setor hoteleiro deve consolidar a recuperação no Réveillon deste ano, atingindo índices de ocupação próximos a 100% em vários destinos do país. O litoral paulista, assim como os estados de Pernambuco, além de outros da região Centro-Oeste já tem todo o setor hoteleiro reservado para a virada do ano.

Só no primeiro semestre de 2022, os serviços ligados ao setor de Turismo tiveram inflação de 41%. Segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), o preço dos pacotes turísticos sofreu variação em todos os estados, com alta significativa no Rio de Janeiro (2,66%). Portanto, com a lotação e a busca maior por acomodação no Ano Novo, o preço de um quarto ou apartamento pode ficar mais salgado. 

Gastos com alimentação ficam mais caros na rua

As viagens em família geram custos também com a alimentação, já que é costume fazer paradas periódicas em restaurantes na estrada e também ao chegar ao destino desejado. A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) espera que o setor fature 20% a mais com a chegada do verão e, consequentemente, com as festas de fim de ano. A previsão pode não estar relacionada apenas ao aumento da margem, mas a uma base pequena no ano passado, em meio à pandemia. De qualquer maneira, vale organizar os gastos com antecedência, comprando comes e bebes em supermercados.

Vai sair do país? Trocar moeda em cima da hora deixa consumidor ‘sem saída’ 

Com a variação diária do mercado financeiro, um perrengue pode ser na hora de trocar o real pela moeda estrangeira. Uma dica é comprar a moeda local antes de sair do Brasil, porque sai mais caro fazer a conversão fora do país, principalmente em aeroportos, segundo Mauriciano Cavalcante, gerente de câmbio da empresa Ourominas.

Por isso, evite comprar moedas estrangeiras próximo à viagem. Compre aos poucos, conforme seu capital, aproveitando a cotação média menor, pois comprando tudo de uma vez, você pode pegar taxas mais altas. As moedas locais podem sair mais em conta:. Ex.: se for viajar para o México, leve 50% de peso mexicano; Colômbia, compre 50% em peso colombiano.

TOP STORIES