Automobilismo

Esportes

O que muda ao nível dos pilotos para esta época de 2023?

o que muda ao nível dos pilotos para esta época de 2023?

A época de 2022 faz parte do passado e com a mudança do ano aqueles que mudaram de moto já visitaram as novas instalações ou vestiram as novas cores, como foram os casos de Álex Márquez ou Joan Mir, respetivamente. Tendo em conta que os primeiros testes estão agendados para ocorrerem em pouco menos de um mês, importa lembrar o que muda para a próxima temporada.

Começando pelas equipas de fábrica, a Ducati recebe Enea Bastianini. Depois de uma época de estreia em 2021 onde conseguiu dois pódios e um top dez no fim do ano, o italiano teve um segundo ano de MotoGP melhor ainda. Além da pole position conquistada em Spielberg, Bastianini venceu quatro corridas e terminou no pódio em mais duas ocasiões, sendo também o melhor piloto independente do ano. Ao seu lado terá Francesco Bagnaia, o campeão de 2022.

Passando para a Honda, a fabricante nipónica recebeu os dois pilotos que estavam em defesa das cores da Suzuki. Com a GSX-RR a ser uma moto que já não está presente no campeonato, a Honda acolheu de braços abertos Joan Mir e Álex Rins. Se Mir foi contratado para correr com as cores oficiais, dividindo garagem com Marc Márquez, Rins correrá também numa RC213V, mas com a decoração da LCR. Quanto à equipa de Lucio Cecchinello, o companheiro de equipa de Rins será Takaaki Nakagami que conseguiu garantir mais um ano no MotoGP.

Com a chegada de dois pilotos à Honda, Pol Espargaró e Álex Márquez saíram para competir em motos diferentes. Quanto a Espargaró, o piloto regressa ao universo KTM depois de ter assinado contrato que lhe permite correr pela Tech3 GASGAS Factory Racing. Esta é vista pela KTM como uma segunda equipa de fábrica e é para Espargaró o regresso a uma máquina que ajudou a desenvolver entre as épocas de 2017 e 2020.

Respetivamente a Márquez, o irmão do oito vezes campeão mundial despediu-se da RC213V depois de três épocas onde não conseguiu ir ao pódio em mais de duas ocasiões. Neste período com a Honda, Márquez conquistou um total de 194 pontos… De forma a dar a volta à sua carreira, o espanhol, que foi campeão em Moto2 e Moto3, irá correr pela Gresini Racing e terá acesso a uma Ducati Desmosedici: a mesma moto que ajudou Bagnaia a coroar-se campeão no ano passado.

Com o foco direcionado ainda para as equipas de fábrica, a Aprilia Racing e a Monster Energy Yamaha MotoGP mantém-se com Aleix Espargaró/Maverick Viñales e Fabio Quartararo/Franco Morbidelli, respetivamente. Mas o mesmo não acontece com a Red Bull KTM Factory Racing… Os austríacos recebem Miller que traz consigo membros vindos da Ducati enquanto mantêm Brad Binder que já tinha no passado um contrato com duração até 2024. Ao contrário do que acontecera na Ducati, Miller tem agora um contrato de dois anos com a KTM.

No que concerne às equipas satélites, a Gresini mantém-se com Fabio Di Giannantonio. Quem também não mudou de equipa foram Luca Marini e Marco Bezzecchi que permanecem na equipa de Valentino Rossi (Mooney VR46 Racing Team); o mesmo acontece com Johann Zarco e Jorge Martín que correrão novamente com as cores da Pramac Racing.

A Tech3 GASGAS Factory Racing recebe Augusto Fernández que, no que lhe concerne, contará com a ajuda de Pol Espargaró. Fernández é dono do título de campeão de Moto2 do último ano e terá uma maior compreensão por parte da KTM depois das estreias difíceis, que resultaram em saídas, de Remy Gardner e Raúl Fernández. Se Gardner rumou ao WSBK, Raúl Fernández conseguiu lugar no MotoGP para correr com a Aprilia.

Embora a fabricante italiana não tenha feito alterações nos pilotos no que respeita à equipa de fábrica, a casa de Noale terá em 2023 a sua primeira equipa satélite. Para tal, assinou contrato com R. Fernández que, por sua vez, estará ao lado de Miguel Oliveira. Desta forma, a Aprilia foi buscar a Mattighofen dois pilotos jovens e coloca na RNF uma dupla com potencial, garantindo na equipa fundada por Razlan Razali um homem experiente e que já venceu quatro Grandes Prémios.

Resumidamente, o alinhamento de equipas e pilotos para esta época de 2023 é a seguinte:

  • Aprilia Racing
    • Aleix Espargaró
    • Maverick Viñales
  • Ducati Lenovo Team
    • Enea Bastianini
    • Francesco Bagnaia
  • Gresini Racing MotoGP
    • Alex Márquez
    • Fabio Di Giannantonio
  • LCR Honda
    • Álex Rins
    • Takaaki Nakagami
  • Monster Energy Yamaha MotoGP
    • Fabio Quartararo
    • Franco Morbidelli
  • Mooney VR46 Racing Team
    • Luca Marini
    • Marco Bezzecchi
  • Prima Pramac Racing
    • Johann Zarco
    • Jorge Martín
  • Red Bull KTM Factory Racing
    • Brad Binder
    • Jack Miller
  • Repsol Honda Team
    • Joan Mir
    • Marc Márquez
  • CyptoDATA Aprilia RNF MotoGP Team
    • Miguel Oliveira
    • Raúl Fernández
  • Tech3 GASGAS Factory Racing
    • Augusto Fernández
    • Pol Espargaró

TOP STORIES